Mostrar mensagens com a etiqueta Viseu. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Viseu. Mostrar todas as mensagens

"Porque é que ainda votas em Viseu?"

segunda-feira, 9 de maio de 2016

"Porque é que ainda votas em Viseu?" Fazem-me esta pergunta repetidas vezes. Por várias razões talvez mais sentimentais do que de outra índole, mas também por uma muito racional. Porque gostava de ver deputados eleitos por Viseu a defender o seu distrito.

9 a favor das portagens na A24 e A25
Vamos então aos nomes dos deputados eleitos por Viseu que votaram contra a extinção de portagens na A24 e A25: António Borges (PS), António Leitão Amaro (PSD), António Lima Costa (PSD), Hélder Amaral (CDS-PP), Inês Domingos (PSD), Isaura Pedro (PSD), José Rui Cruz (PS), Marisabel Moutela (PS), Pedro Alves (PSD). 9 em 9, BINGO! Nem um furou à disciplina de voto, e noutros distritos até houve quem furasse.

Mas também me podem dizer que os deputados do PCP cumprem à risca a disciplina de voto. Pois cumprem, mas os deputados do PCP sabem que um país mais justo implica necessariamente que ao interior sejam dadas condições para recuperar o que foi perdendo com política centralistas que acumularam população nas grandes áreas urbanas do litoral até ao limite do congestionamento molecular.

A Graça e as indignas feministas do "buço armado"

terça-feira, 15 de julho de 2014


Este texto carece de duas explicações: eu sou de Viseu e venho aqui de vez em quando matar saudades da família, da comida e de alguns amigos; o "Jornal do Centro" é um jornal semanal do distrito, e todas as semanas uma pessoa de cada partido com assento na Assembleia da República escreve uma crónica. Para compreender este texto é preciso ler a crónica da Graça Canto Moniz, do CDS/PP de Viseu - é só clicar na imagem, não custa nada.

A Graça, durante toda a sua crónica, tenta escrever em tom irónico, numa espécie de brincadeira jovial, tão jovial como a foto sorridente que acompanha o texto. Na primeira coluna, enfim, a coisa vai, jovial lá está, meio demagógica como é normal no seu partido, e portanto nem vale muito a pena comentar. Apenas uma pequena nota para o messianismo que tem pairado sobre a política nacional. Para a Graça, a "palavra do senhor" é a do Paulo Portas, para o PS e seus próximos é do Costa e para o PSD está à beirinha de ser do Rio. Curiosamente, aqui há atrasado, ouvia o António Guerreiro dizer que às vezes lhe parecia que a esquerda que ainda diz "proletariado", estava à espera de um messias. O António Guerreiro às vezes dá tiros muito ao lado da realidade...