Mostrar mensagens com a etiqueta Rússia. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Rússia. Mostrar todas as mensagens

O delírio "europeu"

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

O parlamento europeu discutiu recentemente uma resolução sobre medidas a adoptar pela "Europa" (leia-se, pela União Europeia) contra alegada propaganda russa contra "os valores europeus" e "a democracia liberal". Num debate feito à sombra do progressivo colapso "da Europa", uma boa parte dos eurodeputados optaram por justificar a desconstrução em curso da União Europeia com um dedo apontado aos inimigos externos, com a Rússia em primeiro plano.

Nos Estados Unidos o discurso é semelhante, com uma parte dos "liberals" do Partido Democrata a acusar a Rússia de ter procurado influenciar e manipular os resultados das eleições que, através de um pervertido e obsoleto sistema eleitoral, colocaram Donald Trump, o segundo candidato mais votado, na presidência federal. Nenhuma prova concreta, para lá dos soundbytes mediáticos, foi até ao momento apresentada relativamente às acusações formuladas.

Almirante Kuznetsov na Síria

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Quando em 1989 as últimas tropas soviéticas abandonaram o Afeganistão, após uma década de operações de apoio à República laica e progressista que resistia como podia ao jihadismo feudal que pariu os Taliban, deu-se o início do fim da relativa paz em que vivia o povo daquele país martirizado por sucessivas invasões e guerras. O exército afegão foi ainda capaz de resistir até 1992, quando a substituição de Mohammad Najibullah e a tomada de posse por parte de um governo de transição constituiu o momento de transição de uma tragédia que teria mais desenvolvimento alguns anos mais tarde, quando em 1996 os Taliban tomaram Cabul e, num gesto de consumação da sua vitória total sobre os últimos vestígios da sua antiga República Democrática, capturaram, torturaram e executaram Najibullah e o seu irmão, que se encontravam sob protecção das Nações Unidas.

Para muitos, o envolvimento da URSS na guerra afegã - participação que, tal como hoje com a Rússia na Síria, aconteceu a pedido das autoridades afegãs - continua a ser percepcionada como uma "invasão" reactiva face ao fortalecimento de grupos armados islamitas, à época designados como "Mujahideen". A retirada de 1988-1989 foi em larga medida a consequência de uma imensa campanha política e mediática, que apresentava o "urso" russo estrangulando o frágil vizinho afegão, cujo povo se limitava a resistir e combater pela sua liberdade...

A NATO e o jihadismo: 25 anos de uma relação umbilical.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Quando no final do ano de 1979 as forças soviéticas entraram no Afeganistão, país que partilhava uma longa fronteira com o território da URSS na Ásia Central, o acontecimento foi rotulado de “invasão”. O facto do envolvimento soviético na guerra contra os Mujahideen se ter dado por pedido explicito e formal do governo da República Democrático do Afeganistão foi por muitos ignorado e por outros caricaturado como um pró-forma na relação entre o gigante soviético e “um dos seus estados satélite”. O desfecho do conflito afegão, dez anos mais tarde, representaria um momento chave na afirmação do jihadismo sunita como actor principal da nova Ordem Mundial, com as consequências conhecidas.

De 1989 para cá foram várias as ocasiões em que NATO e jihadismo voltaram a unir esforços. Um bom exemplo desta aliança aconteceu nos Balcãs, ao longo de toda a década de 90, e expressou-se através do apoio diplomático, militar, económico e mediático dos países NATO a grupos islamitas que aterrorizaram populações sérvias na Bósnia e no Kosovo. A coisa foi tão eficaz e tão bem camuflada que ainda hoje não são raros os discursos persecutórios face aos sérvios e às suas responsabilidades na sangrenta década de 90 naquela zona da Europa, por oposição à vitimização absoluta das populações muçulmanas bosníacas e albanesas. Infelizmente para todos, a realidade é bem mais complexa.