Mostrar mensagens com a etiqueta NATO. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta NATO. Mostrar todas as mensagens

Paz sim, NATO não

quinta-feira, 7 de julho de 2016

A NATO alarga a sua composição, em particular incluindo um crescente número de países da Europa de Leste (prepara-se para entrar o Montenegro), mas não só: discute-se a possibilidade de integração da Finlândia e Suécia (cujos ministros dos Negócios Estrangeiros participaram na reunião ministerial no passado Junho). Os países da NATO são responsáveis por metade da despesa militar mundial, sendo os EUA responsável pela fatia gorda: 37% da despesa mundial, 1.6 biliões de dólares (10^12) em 2015. A NATO tem conduzido guerras mesmo quando os seus países membros não foram ameaçados, casos da Jugoslávia e Líbia. Tem conduzido exercícios militares de crescente dimensão. Tem um sistema de escudo anti-míssil global. E tem o desplante de negar que as suas actividades possam constituir uma ameaça à Rússia, ou que a NATO esteja sequer a cercar a Rússia. Mais, justificam as suas acções com base na "ameaça" da Rússia. Jogos de guerra e retórica, com o mundo em risco.

Guterres, a Sérvia, a NATO e a ONU

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

O governo PS assumiu a candidatura de António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas como um projecto nacional para o qual mobilizará os seus esforços diplomáticos. Calculo que a direita fará deste tema uma boa oportunidade para sublinhar o seu “sentido de Estado” e a sua capacidade para “assegurar consensos”.

A candidatura fará as delícias dos comentadores do regime, que sublinharão o espírito humanitário do ex-Alto Comissário da ONU para os refugiados. E eu não perderei a oportunidade para lembrar 1999 e o papel desempenhado por Guterres e pelo seu governo num dos momentos-chave de descredibilização e secundarização do papel da ONU no plano da segurança internacional. Refiro-me à agressão da NATO à Jugoslávia, lembram-se?

A Síria, a Turquia e o jogo duplo da "coligação" saudita-americana

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Quando em 2012 se deu o grave incidente na fronteira entre a Síria e a Turquia, que consistiu no abate de um avião militar turco de reconhecimento que sobrevoava o seu território, as autoridades turcas não hesitaram em activar os mecanismos previstos no artigo 4º do Tratado do Atlântico Norte. Na mesma circunstância afirmaram ser sua intenção activar o artigo 5º do mesmo Tratado, que prevê que um ataque a um dos estados membros da NATO seja considerado um ataque à própria aliança. O tempo era de provocações sucessivas à Síria, com violações grosseiras da sua soberania, promoção mediática, política, militar e diplomática dos grupos armados da chamada "oposição", utilização do território turco como porto-seguro para a entrada e saída de jihadistas dos campos de batalha e até operações de falsa bandeira que em devido tempo foram denunciadas.

Três anos volvidos é a própria Turquia que se envolve num incidente militar que vem testar a coerência da NATO e dos seus estados membros: alegando violação do seu espaço aéreo, um caça turco abateu um avião militar russo na zona da fronteira com a Síria, provocando a morte de um dos membros da tripulação às mãos dos "rebeldes moderados". Neste contexto julgo ser legítima a pergunta: o ataque de um dos estados membros da NATO a um país não-membro da Aliança vincula todos os outros às possíveis consequência do acto de guerra em questão?