Mostrar mensagens com a etiqueta Leninismo. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Leninismo. Mostrar todas as mensagens

Contra o sectarismo

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Ao longo do fio ideológico do movimento comunista internacional (MCI), os desvios de esquerda e de direita contra a ciência do marxismo-leninismo correspondem invariavelmente a passos atrás na batalha das ideias que acompanham as convulsões naturais da luta de classes, varando contudo o movimento operário de crespos espinhos, por vezes com a profundidade de vários séculos.

Muito antes de Lénine cunhar o termo «esquerdismos» já se verificava, mais propriamente desde o embate entre Marx, Lassalle, Bakunine e quejandos, que os desvios reformistas, esquerdistas ou sectários eram indestrinçáveis da influência da burguesia. O impacte dessa influência, ora agindo ingenuamente ora sob os desígnios calculados do capital, varia em função da robustez e flexibilidade ideológica do movimento comunista perante os avanços e recuos da guerra de classes. Quer isto dizer que nem todos os desvios revolucionários nascem das maquinações dos capitalistas, muito embora a sua capacidade de afectar o rumo da História dependa sempre da força e preparação política do partido de vanguarda da classe operária.

5 razões para ser leninista em 2014

sexta-feira, 7 de março de 2014

Desde a morte de Engels que o leninismo é a mais radical, coerente e incendiária adenda à doutrina marxista. O contributo de Lenine não foi edificativo para que o operariado assimilasse e aplicasse a obra de Marx, foi também o inspirador da primeira revolução desde a Comuna de 1871 a acabar com o capitalismo e a instaurar o socialismo. Nos nossos dias amargos de miséria, quando os tambores da guerra voltam a ribombar em todos os continentes, cabe aos marxistas e a todos os revolucionários prestar especial atenção aos fundamentos do leninismo. Afinal ele é, comprovadamente, o mais eficaz dos guias para destruir o capitalismo que diariamente destrói a humanidade.

Abaixo, ficam cinco conceitos com que os leninistas continuam a ser, em 2014, os revolucionários mais temidos e malqueridos pela grande burguesia de Kiev a Lisboa.