Mostrar mensagens com a etiqueta Dívida. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Dívida. Mostrar todas as mensagens

Do sonho à ilusão, do projecto à estagnação

quarta-feira, 19 de março de 2014

O anúncio de um punhado de notáveis que assinou um documento com o nome claramente inspirado no nosso belogue colectivo, principalmente quando é uma espécie de versão desvitaminada da reivindicação do PCP que se converteu em reclamação de massas sobre a renegociação da dívida, suscitou-me alguns pensamentos. Principalmente porque há um contraste fundo entre o que dizem os comunistas e o que dizem os subscritores do dito manifesto das 70 personalidades (como veio a ser referido quase elevado a programa político) e porque esse contraste mereceu reflexo na dimensão mediática de cada fenómeno.

Se, por um lado, a renegociação da dívida dos comunistas é uma espécie de projecto inaplicável, um delírio esquerdista e radicalista, já a renegociação da dívida nos termos propostos pelos subscritores do dito texto é algo que, nas palavras dos partidos que suportam o Governo, tem vindo a ser feito com naturalidade ao longo das avaliações da troica.

Marca Portugal

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Se há coisa que os nossos meios de comunicação social gostam, é da finura de lábios estrangeiros a pronunciar a palavra "Portugal". Estou em querer que basta um americano articular esse abracadabra para choverem parangonas nas manchetes nacionais sobre a "marca Portugal" e a nossa importância no mundo.

Celebramos qualquer referência: Pode ser o investigador que cá não tinha bolsa mas é uma estrela no MIT; pode ser a Joana Vasconcelos que forrou um cacilheiro a azulejos; pode ser uma actriz que pendurou ao pescoço qualquer coisa feita cá. Não importa, tudo serve. Porque, assim crê alguma imprensa, o nosso problema é falta de auto-estima e isso só se resolve com um adulto que nos dê duas palmadinhas nas costas e nos diga "vês? não és nada foleiro! Até passei uma semana no Oporto!". Sob o pretexto de "valorizar o que fazemos bem", os ineptos que nos governam procuram fomentar uma mentalidade servil e deslumbrada com os arrotos dos estrangeiros. A própria mercantilização do nome "Portugal", como se uma pátria pudesse vender-se, alvitra um futuro para Portugal como nação de criados embevecidos com as loas dos senhores, marca de saloios embasbacados com as proporções.