Mostrar mensagens com a etiqueta Autor Convidado. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Autor Convidado. Mostrar todas as mensagens

Brasil – Não existe pecado do lado de baixo do equador!

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Quando os colonizadores chegaram levavam consigo a moral hipócrita imposta por normas religiosas que vigoravam na Europa de então. Comportamentos que eram reprováveis à luz da moral de então na Europa mas que, nos trópicos, pela distância e condição dos povos colonizados, quase tudo se permitiam fazer.

Fruto ou não desse largo e marcante período histórico, a sociedade brasileira não só não conseguiu superar estas características negativas que alicerçam também a sua formação como nação, como as ampliou à gigantesca dimensão actual do país.

O Brasil vive hoje, a exemplo da maioria da América Latina, um processo de retrocesso político e comportamental.

Bóis e Tréquingue Póis

sábado, 3 de outubro de 2015


*Autora Convidada
Joana Manuel

"Útil é não nos deixarmos enganar pela enésima vez" por Joana Manuel

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

No meio cultural e artístico há uma esperançazinha transversal de que, mesmo que não ganhe a alternativa mas apenas a alternância, ou seja, se tivermos um governo PS depois das eleições legislativas do próximo domingo, regresse no meio do nevoeiro essa saudosa entidade que levava por nome “Ministério da Cultura”.

Como todos sabemos, a Cultura foi um dos primeiros sectores a ver os seus ramos serem podados às cegas, numa lógica perfeitamente antidemocrática que se pode resumir numa citação directa do anterior secretário de Estado, Francisco José Viegas — o qual teve a sensatez de ficar doente a meio da legislatura e assim retirar com pés de lã o seu nome e o seu rosto das políticas inenarráveis que têm sido aplicadas nos últimos anos. E dizia o anterior secretário de Estado em reunião com uma estrutura artística no início da legislatura que agora termina: “mas que parte de 'não há dinheiro' é que não entendem?”.

Continuamos, na CDU, a responder a essa pergunta. Que parte de “não há dinheiro” é que não entendemos?