Mostrar mensagens com a etiqueta André Levy. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta André Levy. Mostrar todas as mensagens

Convenção Convencional

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Após a nomeação formal do "humilde" Donald Trump e seu vice Mike Pence, chegou a vez da Convenção do Partido Democrata que se inicia hoje. Não se esperam nenhumas surpresas. Hillary Clinton já anunciou o seu vice, Tim Kaine, uma escolha desinteressante de um centrista relativamente pouco conhecido pelo eleitorado. Mas mais seriamente, uma escolha que desilude o eleitorado progressista do Partido que se havia galvanizado e mobilizado com a candidatura de Bernie Sanders. Clinton parte para a Convenção, uma corrida começada há muitos anos, com uma diferença tangencial face a Trump (ver), mas parece desvalorizar o eleitorado de Sanders e os temas que foram os pilares da sua candidatura.

Paz sim, NATO não

quinta-feira, 7 de julho de 2016

A NATO alarga a sua composição, em particular incluindo um crescente número de países da Europa de Leste (prepara-se para entrar o Montenegro), mas não só: discute-se a possibilidade de integração da Finlândia e Suécia (cujos ministros dos Negócios Estrangeiros participaram na reunião ministerial no passado Junho). Os países da NATO são responsáveis por metade da despesa militar mundial, sendo os EUA responsável pela fatia gorda: 37% da despesa mundial, 1.6 biliões de dólares (10^12) em 2015. A NATO tem conduzido guerras mesmo quando os seus países membros não foram ameaçados, casos da Jugoslávia e Líbia. Tem conduzido exercícios militares de crescente dimensão. Tem um sistema de escudo anti-míssil global. E tem o desplante de negar que as suas actividades possam constituir uma ameaça à Rússia, ou que a NATO esteja sequer a cercar a Rússia. Mais, justificam as suas acções com base na "ameaça" da Rússia. Jogos de guerra e retórica, com o mundo em risco.

Nomeação de Hillary: uma vitória das mulheres?

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Hillary Clinton com dois membros do Pussy RiotOs resultados de ontem das eleições primárias do Partido Democrata deram uma folga mais confortável a Hillary Rodham Clinton como a candidata nomeada por este partido (na Convenção no fim de Julho) às eleições Presidenciais em Novembro. Bernie Sanders porém ainda não desistiu da corrida, até porque existem ainda existem ainda 712 superdelegados cujo voto não é mandatado pelas eleições primárias e caucuses. Mas Hillary (e boa parte da comunicação social concorda) assume-se como a presumível candidata, declarando já o marco histórico de ser a primeira mulher candidata à presidência dos EUA. Sendo claramente uma "primeira vez", cabe pensar se tal significa, como Hillary proclama, uma vitória das mulheres e para as suas lutas.