Tio Zé Gomes Patinhas Ferreira

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

«Se é pelo agregado, facilmente se atinge os 500 mil euros». Fácil, fácil. Zé Gomes Ferreira pegou na máquina de calcular, fez as continhas, somou os bens da malta lá de casa e chegou facilmente aos 500 mil euros de património. Mas quem nunca? Ou melhor, quem não? Que família portuguesa não chega “facilmente” ao meio milhãozito? Todos. Toda a “classe média”. Com jeitinho, metendo de permeio até valores mobiliários, somando um RSI, uma prestação do abono de família e 5 euros saídos numa raspadinha, até os de “classe baixa” vão levar com imposto. E “facilmente”. Ainda que muitos insistam em denegrir a sua imagem, mais uma vez, Zé Gomes Ferreira aparece a defender os mais fracos.

Mas Tio Zé Gomes Patinhas Ferreira não está só. Ao que parece, num noticiário da manhã na RTP3, também o Presidente de Associação de Empresas de Imobiliário se juntou à defesa de “quem menos tem e menos pode”. Imagine-se que uma família tem um apartamento de 200 ou 300 mil euros e compra mais dois ou três apartamentos... Ou seja, punhamos aqui em cima da mesa uma situação corriqueira, quotidiana, drama de qualquer família de “classe média”. Quer dizer, perante isso, vê-se agora hipoteticamente confrontada com um imposto sobre tão modesto património. Como é possível? Não dá para viver assim em Portugal. É sempre a carregar nos mesmos. Como é que isto há-de melhorar?

Mas falando um pouco mais a sério, independentemente da necessidade de uma maior justiça fiscal no que à tributação do imobiliário diga respeito, seria bom que ninguém esquecesse uma outra parte da grande riqueza, diria mesmo, da colossal riqueza patrimonial que escapa à economia do país. O património mobiliário de elevado valor, os grandes lucros de capitais investidos e arrecadados no estrangeiro, as contas e movimentos submergidos em paraísos fiscais, as sedes estrategicamente implantadas onde “dói menos” ao grande capital, etc., todo o conjunto de “património” sobre-acumulado e que contribui para a cada vez maior e cada vez mais escandalosa disparidade entre os muito ricos e os muito pobres. Nada que o PCP não venha a alertar há anos. Nada que o PCP não tenha já tentado alterar com sucessivas propostas nesse sentido. Nada que não tenha sido recusado por quem se serve do sistema. Nada que não seja preciso insistir e quebrar pela luta. Dentro e fora do parlamento, claro está.

5 comentários:

  1. Tantas são a possibilidades de meter património privado nas mama dos Estado!

    Que aliciantes lucubrações!

    Que de risonhas perspetivas para quem nelas mama!

    ResponderEliminar
  2. apartamento a valer 200 mil euros? classe média que compra apartamentos de 200 mil euros?
    quando é que os partidos e as religiões todas começam a pagar impostos?

    ResponderEliminar
  3. Relembro ao manifesto 74, que temos liberdade graças aos militares, se fosse pelo PCP éramos Cuba da Europa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só falta dizer que temos liberdade, graças ao Jaime Neves.
      (No final, faltou assinar «mama sumé!»)

      Eliminar