"Ucrânia: as máscaras da revolução"

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016



"Passaram-se dois anos desde o golpe, mas, enfim, algum veículo ocidental decidiu abdicar da propaganda odiosa das agências de notícias internacionais e de fato fazer jornalismo em relação à Ucrânia. Trata-se do documentário “Ucrânia: as máscaras da revolução” – disponível, por ora, somente em inglês, alemão e francês.

Realizado pelo jornalista Paul Moreira e exibido pela emissora francesa Canal+, o documentário já é uma realização memorável simplesmente por ser francês – afinal, tudo o que se tem dito nos últimos anos contra o regime de Kiev tem sido descartado, por neoliberais, pretensos democratas, fascistas e até mesmo ditos socialistas confusos como “propaganda russa.” Para além disso, é importante notar também que Paul Moreira expressa, de forma bem clara, não ser nenhum tipo de radical pró-russo, mas um liberal, com uma visão política ocidental, que se preocupa com a “democracia” na Ucrânia – inclusive chega a dizer, ao introduzir sua reportagem, que vibrava pelos manifestantes que ocupavam Kiev e confrontavam a polícia em 2013, ao assistir às imagens pela TV.

O tema central da reportagem é a forma como os fascistas tomaram o país, se tornaram uma força política inquebrável, organizaram batalhões militares, de como influenciam a política – quando, é claro, não ocupam cargos. Mostra de maneira aberta e concreta a violência dos fascistas ucranianos tanto ideologicamente, nas noções abertamente xenofóbicas e genocidas, como em suas práticas – bloqueios à Crimeia, intimidação por meio da força, organização e treinamento de milícias, além de assassinatos em massa. E por fim demonstra o que muitos, inclusive o Presidente Poroshenko, têm tentado negar a todos os custos nos últimos anos: os fascistas não são um setor radical à parte do governo golpista, mas uma célula chave dele, incorporada em cargos, na Assembleia, etc.

É claro, há problemas no documentário: trata muito superficialmente do papel que os Estados Unidos tem tido na Ucrânia, como se a política dos falcões fosse somente a de ignorar os fascistas – quando, de fato, financiaram e apoiaram o golpe abertamente.

Mas é uma obra importante por um simples motivo: o espaço que dão a fascistas, políticos ucranianos e figuras do alto-escalão americano é como uma corda. Com sua capacidade intelectual de sempre, se enforcam em frente às câmeras, imaginando levar a cabo grandes proezas diplomáticas.

Pedro Marin foi editor da Revista Opera, que contou, em 2015, com um correspondente na Ucrânia, e atualmente escreve para o site Global Independent Analytics."
Via Diário Liberdade

Sem comentários:

Enviar um comentário