As cartas de Marcelo

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Um bufo da PIDE a Presidente da República?

Carta de 14 de Abril de 1973

“Acompanhei de perto (como Vossa Excelência calcula), as vicissitudes relacionadas com o Congresso de Aveiro, e pude, de facto, tomar conhecimento de caraterísticas de estrutura, funcionamento e ligações, que marcam nitidamente um controle (inesperado antes da efectuação) pelo PCP. Aliás, ao que parece, a atividade iniciada em Aveiro tem-se prolongado com deslocações no país e para fora dele, e com reuniões com meios mais jovens”

“Como Vossa Excelência apontou, Aveiro representou, um pouco mais do que seria legítimo esperar, uma expressão política da posição do PC e o esbatimento das veleidades “soaristas””

“O discurso de Vossa Excelência antecipou-se ao rescaldo de Aveiro e às futuras manobras pré-eleitorais, e penso que caiu muito bem em vários sectores da opinião pública”

Marcelo Rebelo de Sousa

"Cartas Particulares a Marcello Caetano", de José Freire Antunes.

3 comentários:

  1. Continua a ser evidente e notório o grande embuste que querem eleger como presidente da república deste país por cinco anos.

    Já agora, seria bom investigar o que foi escrito sobre Marcelo por José António Saraiva, no seu livro de memórias, «Confissões de um director de jornal».

    Alguns textos deste livro apresentam Marcelo Rebelo de Sousa, como um subserviente de Pinto Balsemão, tendo até sido humilhado numa festa, ao ser completamente ignorado.

    Mas há mais:

    «Vicente Jorge Silva, (...) diz que Rebelo de Sousa “era capaz de construir uma notícia a partir de um sururu qualquer”, mas que “havia sempre alguma verdade nessas notícias porque ele arranjava as coisas de maneira que a informação fosse sustentada”.

    «Rebelo de Sousa dizia que se não fosse admitido se enforcava. Quando entrou na sala, o futuro diretor do Expresso ainda apanhou Marcelo com a corda ao pescoço e a língua de fora. Achou-o louco, mas convidou-o para administrador-delegado. Só que a vocação de Marcelo não era a gestão e rapidamente passou para a redação.»

    «Em 1978, era Balsemão primeiro-ministro, Marcelo é desafiado pela amiga Margarida Salema, irmã de Helena Roseta, a provar a independência do jornal atacando o também proprietário do semanário. O desafio foi irresistível. No meio de um texto da Gente (a secção humorística criada por Marcelo) apareceu publicada uma frase desconexa: “O Balsemão é lélé da cuca”.»

    Por último, será esta estranha, patética e imbecil figura que queremos como presidente?

    ResponderEliminar
  2. O Cavaco preencheu Curriculum Vitae para trabalhar na PIDE e foi eleito. Qual a admiração ??? O " fiel servo de Salazar" ( assim assina ) provávelmente irá ser eleito logo na primeira volta. Afinal não interessa o valor moral do individuo mas apenas o apoio partidário. Qualquer merda chega a preseidente da junta , basta ter o apoio necessário para tal...

    Dar-lhes com o malho já nem valia nada... este país não têm futuro mesmo ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O país tem futuro se no próximo dia 24 a maioria decidir levar Marcelo a uma segunda volta.

      É lógico que, nesta altura, se atirarmos com a toalha ao chão e decidirmos não votar e ficar em casa, mais fácil será para Marcelo vencer à primeira volta.

      Não esquecer que hoje o porteiro de Berlim, Durão Barroso, seu o seu voto expresso a Marcelo. Toda a direita está com Marcelo.

      Se deixarmos este homem (pobre de ideias e velho) vencer as eleições, a direita ficará de novo com a presidência do país por mais 5 anos.

      Eliminar