Há quem diga que a luta não vale nada, que está gasta!

terça-feira, 23 de junho de 2015

Retirado daqui.

"O Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, anunciou esta terça feira na Comissão Parlamentar de Cultura que a Proposta de Lei do governo que visava a criação de um Estatuto do Bailarino da CNB não será entregue na Assembleia da República. Este anúncio surge depois do pré-aviso de greve entregue ontem pelo CENA e que foi aprovado por esmagadora maioria em plenário de emergência dos trabalhadores da CNB.

Por agora, e porque já durante este processo a palavra dada pelo gabinete do SEC não foi cumprida, o pré-aviso mantém-se válido. Assim que se confirme que esta proposta não avança, será natural que a greve seja desconvocada.
O CENA e os bailarinos da CNB, continuam a defender que é urgente e justo iniciar um processo aberto, ponderado e de verdadeira discussão sobre o Estatuto do Bailarino da CNB. A solução para estes trabalhadores não é a continuação do seu actual quadro laboral.

É necessário um Estatuto que contemple estas e outras medidas:

- o desgaste rápido da profissão;

- um travão à precarização da profissão, acentuado com a Lei 4/2008;

- um regime especial de seguro de acidentes de trabalho que não remeta para a lei geral;

- o respeito pela ocupação efectiva.

Esta vitória só foi possível devido à grande união entre todos os bailarinos da CNB e restantes trabalhadores. Serve mais uma vez como um exemplo claro de que vale a pena pugnar por leis laborais que dêm às nossas profissões uma maior dignidade e um enquadramento que reflicta as suas especificidades.

Neste momento, e por via das propostas apresentadas na AR, tratava-se apenas da situação específica dos bailarinos da CNB, mas é imperioso que esta discussão possa levar à aprovação de um estatuto profissional para todos os bailarinos e bailarinas. Estamos certos de que a aprovação de um Estatuto do Bailarino da CNB que responda efectivamente às necessidades destes trabalhadores, pode ser um passo importante e decisivo para que no futuro seja aprovado um estatuto geral da profissão."

2 comentários:

  1. Ele há a luta e 'A Luta'

    A primeira é tão natural quanto necessária.
    Quanto à 'A Luta' é aquele mantra enfadonho e persistente, que ilumina o dia a dia de uns tantos manifestantes de uma existência de outro modo irrelevante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. #"Existência de outro modo irrelevante"#?

      Ou de como desta forma típica se classificam os outros ( dentro daquele espírito de "economia competitiva" tão cara a este tipo) ,exibindo aquele mantra enfadonho e persistente de pregar a capitulação aos demais.. Com a arrogância dum tipo que partilhou o sofá e o álcool com um crápula flamengo, especialista em "trabalho " sobretudo na vertente do "arbeit macht frei" do campo de concentração nazi de Dachau

      Um "manifestante" compenetrado , entre o néscio e o viscoso, da sua função de classe.

      Ainda dizem que não existe Luta de Classes. Este tipo é a melhor prova e a sua missa é velha como a exploração do homem pelo homem.Ei-lo na defesa da burguesia néscia e putrefacta, cunprindo o seu papel na manutenção do Capital e na apologia da barbárie

      De

      Eliminar