Capitalismo para totós VIII - Caridade

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Caridade é o termo que designa o conjunto de acções, motivadas ou não por convicção ou convenção religiosa, que consistem na circulação de um bem entre pessoas sem outro fim que não o de manter o desequilíbrio na fruição da riqueza. Ou seja, o suposto desprendimento de um certo bem não se verifica, na medida em que quem doa determina pela doação a continuidade das relações sociais existentes. O pior que poderia suceder para o capitalismo seria os pobres e miseráveis tomarem por suas mãos o que por direito podem ter.

Como tal, o capital e as classes dominantes, determinam assim aquilo que tem direito o pobre. A caridade é o inverso da solidariedade, pois ser solidário implica fazer tudo para que a situação colectiva melhore equitativamente. Ser caridoso implica não alterar as condições que permitem que a relação social de exploração se mantenha.

A situação é tal que muitas vezes, os próprios capitalistas disponibilizam os produtos para venda tendo como fim a caridade. Não raras vezes, vemos à porta de supermercados as organizações da igreja ou de outras instituições de caridade, recolhas de produtos para entrega a pessoas mais carenciadas. Ou seja, a caridade funciona, objectivamente, como instrumento de publicidade e incremento de vendas para obtenção de lucro.

Com a caridade, muitas classes não dominantes são também envolvidas - principalmente por influência religiosa ou ideológica - em mecanismos de caridade, fazendo assim com que os miseráveis recebam alguns bens ou alimentos de outras camadas igualmente pobres da população. Ou seja, o capital e as classes dominantes, para não abdicarem de um milímetro das suas regalias e privilégios, chegam ao cúmulo de colocar os pobres a abdicar de bens para satisfazer as necessidades básicas de outros mais pobres. Com isso, a burguesia mantém as relações de classe intocadas, alimenta um negócio de ostentação em que a caridade é um elemento publicitário e um adorno de classe, e neutraliza a revolta das camadas que, não a integrando, são permeáveis à sua ideologia e moral.

10 comentários:

  1. Perfeito, meu caro Miguel Tiago. Perfeito.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. José, volte para o seu blog "A Chispa". Essas suas contradições psicológicas e jogos duplos nos comentários não são saudáveis. Se vai continuar, muitos o vão julgar como masoquista: um perfeito e ridículo masoquista, sem amigos que o incentivem a ser sensato e a deixar este blog em paz.

    ResponderEliminar
  4. Um excelente comentário que desperta nas jonets de ocasiao as alarvidades costumeiras da espécie em causa.
    Beato confesso e seguidor dos mandamentos dos mercados a oração é um dos tiques perpétuos dum tal Jose.

    Os camaradas dirigentes agradecem o seu esforço aturado na defesa da sua classe de exploradores sem freio. Relvas convidou-o para a Universidade, Coelho para um lugar no governo, Cavaco para uma medalha no 10 de Junho.

    Deixemos jose entre as suas oraçoes nauseantes à césar das neves e o seu desejo insano da perpetuação da exploração do homem pelo homem

    Percebe-se que o coitado entre em órbita e em idiotia néscia quando lhe fazem o retrato desta forma tão magnífica

    De

    ResponderEliminar
  5. OS POBREZINHOS
    TÃO ENGRAÇADOS
    PEDEM ESMOLAS
    COM MIL CUIDADOS

    TODOS SUJINHOS
    E TÃO MAGRINHOS
    A LINDA GRAÇA
    DOS POBREZINHOS

    DE PORTA EM PORTA
    SEMPRE ROTINHOS
    TÃO DELICADOS
    OS POBREZINHOS

    NÃO FAÇAM MAL
    AOS POBREZINHOS
    DEEM-LHES PÃO
    E TOSTÕEZINHOS

    OS POBREZINHOS
    TÃO ENGRAÇADOS
    PEDEM ESMOLINHA
    COM MIL CUIDADOS

    ( ARMINDO MENDES DE CARVALHO)

    Este poema tem uma dedicatória especial a um tal jose, pois os pobre de espirito também devem ser lembrados.

    A.Silva

    ResponderEliminar
  6. um tostão para o tótó do Jose.

    ResponderEliminar
  7. Comovo-me com tais develos de tão excelsas almas!
    Mergulhados nas Trevas da cobiça do alheio, recusam a Caridade e exigem o assalto em forma, com banda, fanfarra e bulas de consagração!

    ResponderEliminar
  8. José deixou a baba sebenta e um pouco nauseabunda do choro fácil com que veio fazer queixinhas pelo facto de João José Cardoso o ter catalogado de forma adequada
    Por momentos o papel de "piegas" com que enche a boca quotidianamente juntou-se ao dos outrora bufos de tão má memória.

    A coluna vertebral tem coisas que josé ignora, porque ele por sua vez ignora o que aquela seja.
    Percebe-se porquê.A subserviência aos mercados e aos grandes interesses económicos exigem-lhe estes exercícios ranhosos e sem a mínima dignidade.

    "Recusam a Caridade" dirá em pose dum Torquemada sinistro e fundamentalista..Adivinha-se a voz de falsete enquanto de mãos postas em postura de reza de hipoócrita encartado proclama os méritos do seu néscio e pútrido mestre e verbera quem não lhe segue a sua devoção bestial.

    De facto JJCardoso captou-lhe o retrato.

    De

    ResponderEliminar
  9. "Mergulhados nas Trevas da cobiça do alheio"
    esse gajo nunca me enganou, só pode ser padreco, e daqueles mais sebosos, do tempo da brilhantina. Deve estar acamado para passar o tempo a correr praqui. Deixem lá o homem pensar que está vivo

    ResponderEliminar
  10. Os comentários que esse cobardolas do JJCardoso não publicou rezavavam algo como:
    - «Os insultos são benvindos uma vez que denunciam um merdas que se dá a ares de quem é capaz de sustentar uma controvérsis».
    - «Apagas-te o comentário grande cobarde!
    És bem a merda que define a esquerda!
    Cambada de oportunistas, idiotas pesporrentos a armar em benfeiitores»
    Óbviamente que ressalvo a excepção devida aos esquerdistas aqui presentes, verdadeiros príncipes do diálogo e da dialética argumentativa!

    ResponderEliminar