Quem é Joseph Hamann?

quarta-feira, 7 de maio de 2014

O João Labrincha, do velho 5dias, publicou um excerto de uma entrevista a Karl Marx em que o revolucionário alemão diz isto. Aparentemente, nem o João nem o Karl gostam de sindicatos controlados por partidos. Por mim tudo bem. Até podia responder com outra citação, esta do Álvaro Cunhal, em que o revolucionário português afirma que:

"A natureza de classe, a autonomia e a democracia interna são os factores que melhor podem assegurar a unidade do movimento sindical unitário". e que "segundo alguns, o mal dos males do movimento sindical português é o que chamam "a partidarização dos sindicatos". (...) Para sermos claros (...) a acusação de "partidarização dos sindicatos e "hegemonização partidária" referes-e ao PCP e à grande influência dos comunistas no movimento sindical unitário português. (...) A Influência dos comunistas no movimento sindical não resulta de qualquer imposição ou ingerência partidária. Resulta, em termos históricos, do papel que os comunistas tiveram na organização e dinamização da luta dos trabalhadores e nas organizações e luta luta de carácter sindical nas duras condições de repressão fascista durante dezenas de anos. Resulta do papel (...) dos comunistas (...) na criação e actividade da CGTP-IN. Resulta (não de imposições externas e muito menos da vontade que alguém teria que intervenções de topo impedissem a expressão da vontade das bases) da confiança que os trabalhadores têm continuado a depositar nos seus companheiros comunistas (...)"

Podia também responder ao João Labrincha da minha própria pena e explicar-lhe o que acho sobre a citação de Marx. Mas não o vou fazer, porque Marx nunca disse nada disto e a entrevista é, tudo indica, inventada. O entrevistador, um tal Joseph Hamann, é uma figura mistério da bibliografia marxista: A sua entrevista a Marx, apenas citada em publicações duvidosas, é a única coisa que se sabe sobre a sua vida. De resto, não há quaisquer razões para acreditar que o Sr. Hamann tenha alguma vez existido ou que Marx alguma vez tenha dito tal coisa.

4 comentários:

  1. Excelente.

    Para se identificar um farsante o melhor é arrancar-lhe a mascara.

    ResponderEliminar
  2. O meu sindicato «Delegados de Propaganda Média» foi fundador da CGTP-IN em 1970, era Presidente Álvaro Rana, a lista foi eleita democráticamente.Se tinha nela muitos ou poucos comunistas ninguém se preocupou com isso...
    Penso que as organizções políticas em qualquer país, insípidas (sindicatos, outras...) ou superiores (partidos, orgãos de soberania) devem ser de classe e cada um devia aderir nessa condição. Não são clubes! Por isso mesmo uns são amarelos outros vermelhos, a proliferação só serve para dividir e com isso servir a classe possidente(amarelos) por isso a criação por "Eurosocialistas" no célebre ano de 1975, uma central amarela. E tem cumprido o seu papel histórico. Há que desmascarar os mentirosos e outros mais perigosos, que são aqueles que generalizam as meias mentiras, fazendo crer que são meias verdades perigosas .A luta dos trabalhadores tem várias frentes, desmascarar é uma delas e das mais importantes! José da Cruz Boavida

    ResponderEliminar
  3. Quando não interessa concordar e não há argumentos para refutar, criticam-se as fontes. Pois, a fonte desta citação está devidamente identificada e ainda não vi ninguém provar-me de forma categórica que é falsa.

    ResponderEliminar
  4. João, não se prova que algo não existe. Não te posso provar que o teu Joseph é uma invenção, da mesma forma que não te posso provar que deus não existe, da mesma forma que não te posso provar que não há um tomate gigante a caminho da terra. É ao contrário que funciona...

    Mas, só a título de curiosidade, faz uma pesquisa: descobre quantas referências há a esse ilustre jornalista (não era qualquer macaco que entrevistava Marx). Vai ver quantos livros falam dele. Vai ver quantos estudiosos Marxistas escreveram o seu nome...

    Sinto muito João (e a UGT também), mas o teu Joseph nunca existiu.

    ResponderEliminar